6 jogos que obrigam sua equipe a ter um pensamento estratégico

Na integra

pensamento estratégico

Junte um objetivo bem definido com um ambiente livre de distrações e você tem no jogo um rico espaço para promover habilidades fundamentais para um pensamento estratégico, como saber lidar com o inesperado, resolução de problemas e visão crítica. 

 

Os jogos já fazem parte do ambiente corporativo

Se há alguns anos usar jogos no ambiente corporativo ainda levantava questões, hoje experiências gamificadas estão totalmente inseridas nas empresas. Você sabia, por exemplo, que na indústria médica, os jogos ajudam os futuros profissionais de saúde a desenvolver habilidades de diagnóstico e descobrir patologias com base na apresentação de vários sintomas? No universo da tecnologia, os jogos são usados ​​para ajudar a identificar e corrigir vulnerabilidades de segurança. E em organizações militares há anos os jogos ajudam os generais a visualizarem estratégias de guerra.

Isso porque os jogos são um ambiente de teste seguro. Em uma experiência gamificada, as pessoas irão se comportar como se estivessem numa situação real, mas podendo errar (e aprender com os erros) sem as consequências de uma situação real. Essa segurança é particularmente bem-vinda quando se pretende desenvolver habilidades como estratégia e inovação. Do ponto de vista de relacionamentos, o ambiente do jogo faz com que as pessoas interajam mais, se conhecendo melhor, o que facilita especialmente em momentos de ajuste de estratégia, com feedbacks mais sinceros e harmoniosos.

Outra vantagem ainda ao usar um jogo para ensinar o pensamento estratégico é que o ato de jogar exige que os jogadores se afastem das situações cotidianas e se concentrem no que está acontecendo no jogo. Na verdade, um jogo bem projetado evita que as mentes dos jogadores divaguem porque eles estão totalmente “dentro” do jogo.

Embora sejam vários os jogos que ajudam líderes e suas equipes a pensarem de forma estratégica, nós selecionamos 6 experiências que realmente incitam o pensamento estratégico, com a ajuda do Luis Zanin, Sócio-Diretor da Conquistar Jogos Corporativos, empresa do Grupo Integração.

Para saber mais sobre jogos corporativos e experiências gamificadas você pode tanto acessar o site da Conquistar quanto nos mandar uma mensagem.


6 jogos que obrigam a sua equipe a ter um pensamento estratégico

1 – Beat The Box

Como funciona: O objetivo deste jogo é tirar os participantes de sua zona de conforto, despertando-os para a ação. Tudo começa com a exibição de uma mensagem em vídeo, algo misterioso que desafia os jogadores. As equipes então ganham um tempo determinado para decifrar todos os diferentes códigos que surgem ao longo da experiência. O único material que possuem à disposição é uma caixa de alumínio trancada com cadeado.

A primeira tarefa do jogo de escapada Beat the Box consiste em abrir essa caixa. Em seu interior existem quatro maletas misteriosas, também protegidas com cadeado, cada uma com enigmas que precisam ser desvendados. Não é possível passar para a próxima etapa sem antes concluir a anterior. Por isso, as habilidades profissionais de cada membro da equipe, a colaboração, agilidade e o pensamento estratégico e criativo serão essenciais.

Dentro da última mala estão letras que devem ser ordenadas para criar uma mensagem que seja muito importante para o time. Ao ordenar essa mensagem, o código final aparecerá e a contagem regressiva será parada. Essa mensagem será customizada com base nas necessidades de cada equipe. 

 

Habilidades trabalhadas: Uma equipe engajada e inovadora precisa de profissionais dedicados, que colaborem entre si e pensem de forma estratégica. O Beat The Box ajuda os membros de uma equipe a compreender a importância do seu papel em um projeto, para assim colocar em prática as habilidades certas para atingir o resultado esperado. O jogo trabalha o espírito competitivo, a comunicação eficaz, capacidade de solução de problemas, a gestão do conhecimento e o gerenciamento de mudança e, claro, o pensamento estratégico.

 

2 – Reis do Café

Como funciona: Neste jogo, cada equipe é um comerciante que compra e vende cafés. Na verdade,compram cafés e vendem blends. Para reforçar um complexo ambiente de coopetição, isso mesmo, coopetição (competição+colaboração), os times se organizam em cooperativas. 

Na primeira fase, os clientes mostrarão suas necessidades de grãos para seus blends e cada equipe fará suas compras. Quando a mesa de vendas fechar, as equipes passam então a negociar umas com as outras, algo fundamental para conseguirem atender as necessidades do mercado. Pensamento estratégico e capacidade de formar alianças torna-se essencial para que obtenham os recursos desejados.

Na segunda fase, o ciclo se repetirá. Entretanto, uma urgente e repentina crise atingirá o mercado, exigindo ações rápidas das equipes, que devem rever seus planos e adequar suas estratégias.

Na terceira fase, os clientes atrasarão para passar seus pedidos, forçando as equipes a agir sob pressão. Já na fase final, o mercado abrirá por um tempo menor, fazendo com que os times agilizem as suas negociações.

E em todos os ciclos as equipes devem conseguir vender suas sacas, preferencialmente com lucro! Ao final das quatro fases, as cooperativas apuram seus resultados, mostrando os vencedores.

 

Habilidades trabalhadas: O Reis do Café foi cuidadosamente construído para quebrar a mentalidade compartimentada e garantir a colaboração entre as equipes, que trabalham para um objetivo comum: melhorar a gestão comercial e os resultados das empresas onde trabalham.

Os participantes experimentam a força das mudanças de mercado, a realização de cadeias de abastecimento, a construção de alianças estratégicas e o desenvolvimento da compreensão das necessidades dos clientes. A experiência ressalta a importância da coleta de informações, do comportamento adaptativo, de uma boa gestão de tempo e do pensamento estratégico.

 

3 – Peak Performance online

Como funciona: trata-se de uma atividade remota de teambuilding, na qual as equipes levam os seus guias (e clientes) até ao topo do Monte Evereste, retornando com eles em segurança ao acampamento base. 

Os participantes iniciam a atividade através de videoconferência e trabalham em equipes em suas breakout rooms. Cada membro é responsável por uma função específica e pela gestão dos processos e indicadores relacionados a ela. Os participantes devem decidir como se moverão a cada dia e, para isso, utilizam uma interface customizada. Há muitas variáveis a serem consideradas, incluindo a mudança das condições climatéricas e do terreno. As equipes tomam decisões colaborativas com base em elementos como necessidades de oxigênio, aclimatização, montagem de acampamentos, entre outras. Ao final, ganha a equipe que tiver obtido o maior número de pontos.

 

Habilidades trabalhadas: O jogo é uma ferramenta de aprendizagem experiencial emocionante, projetada para mudar a compreensão, a atitude e as competências sociais dos profissionais, ajudando-os a trabalhar em colaboração. Após a experiência, os participantes passam por um processo de observação reflexiva para identificar os pontos críticos do jogo, que decisões tomaram e quais foram as consequências dessas decisões, com o intuito de estimular alterações comportamentais eficazes, entender e aceitar as implicações das suas escolhas, e ressaltar a importância de se desenvolver um pensamento estratégico.

 

4 – The Infinite Loop 

Como funciona: Uma equipe de elite é chamada para a missão secreta de salvar  um jovem feito prisioneiro em uma nave espacial. Para chegar até ele, a equipe deve atravessar um labirinto composto por diversas salas recheadas de desafios. Cada equipe colabora por videoconferência em suas breakout rooms.

Para cada enigma, somente um dos membros da equipe verá a porta trancada da nave espacial, tendo que comunicar da forma mais clara possível o que vê. Dessa forma, o restante da equipe deve interpretar essa comunicação, relacionando-a a um guia com as informações necessárias para resolver os enigmas e destrancar a porta.

Assim que a porta se abrir, a equipe dirige-se para a próxima sala desse labirinto, onde, através do mesmo sistema de colaboração e partilha de informação, existirá outro problema a ser resolvido. Na última sala, o jovem aguarda para ser salvo. A competição é aguçada sempre que os participantes consultam as telas do monitor e percebem a evolução das outras equipes no jogo, pois vence quem resgatar o jovem primeiro. 

 

Habilidades trabalhadas: esse jogo foi desenhado especificamente para criar dinâmicas entre equipes remotas. É baseado em colaboração e comunicação em tempo real, afinal, quanto mais preciso for o jogador com as informações visuais, mais rápido os restante da equipe encontrará a solução. Com uma forte curva de aprendizagem, o jogo faz com que as equipes aprimorem suas habilidades de comunicação e pensamento estratégico à medida que avançam no desafio. Os participantes descobrem as características pessoais de cada elemento do grupo e desenvolvem uma forma de trabalho mais eficiente. 

 

5 – Bot Creation

Como funciona: Nesta atividade de team-building, as equipes recebem uma mala com uma infinidade de componentes e têm a missão de projetar e criar um robô para concluir um conjunto de tarefas competitivas e colaborativas. Ou seja, não basta apenas montar o robô, mas construí-lo de forma que possa cumprir as missões.

Os membros da equipe precisam trabalhar juntos para decidir sobre uma infinidade de peças para montar o robô, visando superar os desafios e ter um desempenho superior ao das outras equipes. Ao longo do jogo, os participantes perceberão que o pensamento estratégico e uma visão focada nos recursos disponíveis tornam suas ações mais assertivas e bem-sucedidas.

Uma vez criado, o robô é colocado para atestar sua capacidade de concluir a tarefa necessária. Feito isso, todas as equipes se reúnem para observar as criações e testemunhar o sucesso de cada missão.

 

Habilidades trabalhadas: nesta experiência, os jogadores desenvolvem habilidades como planejamento e tomada de decisão, pensamento estratégico e criativo e o gerenciamento de recursos. Além disso, aprendem a usar a lógica do design thinking para aprimorar os atributos básicos do robô. O resultado é mais do que o testemunho de uma criação bem-sucedida, mas do êxito de um bom trabalho em equipe.

 

6 – Go Team

Como funciona: cada equipe recebe um tablet com o app do Go Team. O aplicativo então passa a apresentar desafios, utilizando os recursos do GPS para emitir perguntas, pistas e imagens, ajudando os participantes a solucionarem as mais diferentes tarefas em todos os níveis e tipos de terreno. 

Conforme a equipe avança e cumpre cada prova, o app envia comentários e a pontuação do time, em tempo real. De volta ao ponto de partida, os participantes ainda podem receber bônus caso cumpram novas missões.

Totalmente customizável, o Go Team garante a segurança dos participantes e o efetivo trabalho em equipe.

 

Habilidades trabalhadas: coragem, comprometimento, capacidade de resolução de problemas e pensamento estratégico são fundamentais para obter êxito nos desafios propostos durante esse jogo. Ao depender do empenho de todos os participantes para o cumprimento das tarefas, o Go Team motiva os profissionais a assumirem novos desafios e cria condições para que todos expressem ideias e opiniões que colaborem para o sucesso da missão.

Além disso, atividades fora do ambiente de trabalho incentivam os profissionais a desenvolverem o trabalho em equipe, a pensarem de forma mais disruptiva, a desenvolverem o autoconhecimento e a enxergarem no colega novas habilidades. 

 

Quer saber mais sobre jogos corporativos e atividades de team building, siga a Conquistar no Instagram: @conquistarjogos