Como ser um bom líder

Na integra

bom-líder

Qualquer um é capaz de ocupar uma mesa num escritório e delegar tarefas, mas a liderança eficaz é mais do que isso. Líderes eficazes têm grande impacto não apenas nos membros da equipe que gerenciam, mas também na empresa. Os funcionários que trabalham sob um bom líder tendem a ser mais felizes, mais produtivos e mais conectados à sua organização – e isso tem um efeito cascata que atinge os resultados financeiros do negócio como um todo. 

“Um bom líder é aquele que torna melhor aqueles ao seu redor. Existem muitas maneiras de identificar uma grande liderança, mas acredito que olhar para aqueles ao seu redor é uma das melhores. Perceba: as pessoas estão crescendo, estão motivadas?”, diz Fabio Eltz, psicólogo e head das Escolas de Liderança e Comunicação da Integração.

Para ser bom líder, no entanto, é preciso desenvolver determinadas habilidades e incorporar estratégias de liderança que motivem os membros da equipe. Veja aqui as nossas dicas para 

Se tornar um bom líder.

As 5 principais habilidades de um bom líder

Líderes de sucesso costumam demonstrar e treinar constantemente essas cinco qualidades de liderança em suas vidas pessoais e profissionais. Treinar? Isso mesmo. Grandes líderes sabem que tais habilidades não são necessariamente inatas, mas podem ser aprendidas e incorporadas. 

  1. São autoconscientes e priorizam o desenvolvimento pessoal

Bons líderes se concentram no desenvolvimento de sua inteligência emocional. Os líderes que trabalham para refinar essa qualidade são mais adaptativos, resilientes e aceitam o feedback dos outros. Eles também são ouvintes eficazes e abertos a mudanças.

  1. Concentram-se no desenvolvimento dos outros

Essa qualidade de liderança baseia-se nos princípios da teoria da liderança situacional, que sugere que os líderes eficazes se adaptam ao fato de um indivíduo ou grupo estar pronto, disposto e capaz de realizar ações específicas. Delegar, treinar e orientar são tarefas importantes dentro da liderança situacional.

  1. Encorajam o pensamento estratégico, a inovação e a ação

Como líder, o profissional deve olhar para frente e pensar sobre para onde a organização está indo. Ao tomar decisões estratégicas de negócios, um bom líder considera fatores organizacionais internos, como processos e necessidades de pessoal, bem como fatores externos, incluindo regulamentações governamentais e avanços tecnológicos.

  1. São éticos e cívicos

Um bom líder considera as consequências éticas das decisões que toma – tanto para seus clientes quanto para sua equipe. Isso significa usar seu poder e autoridade de forma adequada. Tenha em mente: a honestidade é a melhor política. Quando os líderes são honestos com os funcionários (sendo abertos, transparentes e autênticos), eles retribuem essa confiança e as operações passam a ser operadas com integridade. 

  1. Praticam uma comunicação intercultural eficaz

Líderes respeitados são capazes de se comunicar claramente tanto com indivíduos, unidades de negócios, toda a empresa e partes interessadas fora da organização. Em uma economia cada vez mais global, um bom líder conhece e respeita as diferentes tradições de comunicação. Na prática, falamos sobre questões geracionais, culturais, sociais e também pessoais.

Como ser um bom líder de equipe?

Imagine uma equipe onde o líder incentiva cada pessoa a fazer o seu melhor trabalho, ajudando-a a se desenvolver profissionalmente, fornece clareza em meio a prioridades em constante mudança e confia que cumpram as responsabilidades do trabalho.

Agora imagine uma equipe em que o líder menospreza as pessoas, microgerencia o trabalho de todos, retém informações e joga uns contra os outros.

Qual dessas equipes tem mais probabilidade de mostrar um alto desempenho?

A capacidade de um líder de equipe de motivar, inspirar, orientar e treinar seu time pode impactar em tudo, desde o engajamento e desenvolvimento dos funcionários até a retenção e produtividade. Além disso, pesquisas mostram que é o líder de equipe que tem o impacto mais direto e significativo na experiência do grupo. Ou seja, contar com um bom líder pode determinar a rapidez com que os membros da equipe desenvolvem novas habilidades, se eles se sentem incluídos e apoiados, e quão criativas ou inovadoras são as soluções da equipe.

Mais uma prova de que investir no desenvolvimento de liderança pode ajudar as equipes – e as organizações – a realmente brilhar. Abaixo nossas seis dicas para se tornar um grande líder de equipe:

1 – Aprenda a liderar a si mesmo primeiro

Os melhores líderes conduzem a si próprios antes de liderar os outros. 

Na prática: Certifique-se de compreender verdadeiramente seus pontos fortes  e oportunidades de crescimento, além de saber como é visto pelos outros. Tome medidas para considerar o que o motiva e o tipo de impacto que você gostaria de ter nas outras pessoas. Aumentar sua autoconsciência pode ser uma jornada para toda a vida que o ajudará a liderar outras pessoas com mais eficácia.

 

2 – Procure feedback: para cima, para baixo e transversalmente

Um bom líder de equipe não apenas compartilha feedback com seu time; ele também pede e recebe feedback de muitas fontes. 

Na prática: Esforce-se para entender como suas ações impactam  o outro. Para maximizar o feedback, procure compartilhar onde está trabalhando para melhorar e, em seguida, convide outras pessoas para se colocarem de modo a colocar quando você faz coisas que os magoam ou ajudam.

 

3 – Esteja aberto a novas ideias

Os líderes desempenham um papel importante em incentivar sua equipe a compartilhar seus pensamentos e opiniões. 

Na prática: Permanecer aberto a novas ideias incentiva a inovação, em vez de permitir que as equipes fiquem presas a velhos padrões de comportamento. Para isso, no entanto, é preciso de fato ouvir e abraçar sugestões que saem da caixa. Não é preciso aceitar todas, mas ao menos considerá-las é imprescindível para incentivar a inovação.

 

4 – Preste atenção à dinâmica da equipe

É fácil ser absorvido pelas tarefas diárias, mas um bom líder de equipe precisa dar um passo para trás para observar como anda a dinâmica dos seus liderados. 

Na prática: Pergunte a si mesmo: como a equipe está operando? Onde as coisas estão funcionando bem e onde a equipe se sente especialmente desafiada? Como são os indivíduos da minha equipe e quão saudáveis ​​são os relacionamentos entre eles? Reserve um tempo para construir relacionamentos mais fortes e gerenciar os conflitos emergentes antes que eles se transformem em problemas maiores.

Como liderar pessoas difíceis

Para liderar pessoas difíceis, idealmente, você deve começar com essas três ações:

 

  1. Comece a liderar pessoas difíceis… definindo expectativas claras

Pessoas difíceis tendem a precisar de coisas claramente definidas para elas. Ou seja, você deve dizer, de forma bem definida, por que quer algo, quando quer e quem deve realizar a tarefa. Além disso, especifique como deseja que aquilo seja feito.

Definir expectativas claras é importante ao liderar pessoas difíceis porque há menos espaço para discussão. Quando você deixa claro o que precisa, aí sim pode conversar sobre um possível baixo desempenho, no caso de uma entrega não concluída.

 

  1. Comece a liderar pessoas difíceis… entendendo seus problemas

Pessoas difíceis geralmente não causam problemas intencionalmente ou só por diversão. Na maioria das vezes, há uma razão por trás de seu comportamento. Muitas simplesmente estão infelizes. Por isso, é importante tentar entender as razões por trás dessa atitude, em vez de apenas reclamar. 

Ao fazer isso, você pode muito bem transformar seu maior desafio em um dos seus melhores desempenhos! Não presuma que pessoas difíceis sempre serão difíceis. Em vez disso, experimente: 

  • Quando notar alguns exemplos de comportamento difícil, anote-os. 
  • Reserve um tempo para discutir os exemplos específicos com a pessoa
  • Durante a conversa, lembre-se de que o objetivo não é culpá-los ou fazer com que se sintam mal, e sim entender sua frustração
  • Procure, junto com a pessoa, achar maneiras de lidar com essa frustração

Você pode ler mais sobre como ter conversas difíceis aqui.

 

  1. Comece a liderar pessoas difíceis… deixando claras as consequências 

Quando pessoas difíceis são um problema constante em uma equipe, geralmente é porque não há consequências para seu comportamento. Se você já tentou resolver os problemas conversando, apoiando e incentivando, mas não vê progresso, deve considerar uma consequência para comportamentos não aceitáveis.

Caso contrário, você terá uma situação em que o mau comportamento simplesmente continuará acontecendo. Isso vai irritar e frustrar os outros membros da equipe. Com o tempo, pode ser que tais atitudes se tornem naturalizadas.

Consequências claras, no entanto, não precisam ser necessariamente drásticas. Pense, dentro da dinâmica da sua equipe e do trabalho, em ações que deixarão claro que determinado comportamento não é aceitável. E faça-as valer!

 

Quer saber mais sobre como ser um bom líder?

Baixe nosso workout da liderança, com 30 exercícios práticos para melhorar suas habilidades como líder. Aqui está a parte 1 e aqui a parte 2.

Conheça também o nosso Programa de Desenvolvimento de Líderes, um curso de 40 horas, online ou presencial, que te ensinará a pensar e agir como um verdadeiro líder.

Cursosrelacionados

  • Curso de Liderança: PDL – Programa de Desenvolvimento de Líderes

    Pensar e agir como um verdadeiro líder é a proposta do curso de liderança PDL. Em cada etapa, você terá o apoio de especialistas e mentores experientes de mercado. Você vai fortalecer seu papel e reconhecer seu estilo de liderança. Saberá como se comunicar e engajar o time e será capaz de utilizar as ferramentas de coaching para desenvolver seus talentos. A tomada de decisão e sua visão de negócios serão instigadas com o business game, que fechará o programa de liderança com uma atividade mão na massa.

    Saiba mais
  • Coordenadores e Supervisores: Vencendo Desafios da Primeira Liderança

    Há cargos que exigem muito, por eficiência técnica ou pela própria gestão. Desenvolva as 7 competências, ferramentas importantes que começam pela liderança e trabalham engajamento, comunicação, feedback, inteligência emocional e gestão do tempo, além do foco em resultados e alinhamento do líder ao ambiente.

    Saiba mais